A União Geral dos Trabalhadores (UGT) reuniu-se, na manhã desta sexta, 8, com as demais centrais sindicais para definir o calendário de mobilizações contra a reforma da Previdência.

  De acordo com Canindé Pegado, secretário Geral da UGT, esta é a maior demonstração de unidade do movimento sindical dos últimos tempos. “As centrais estão unidas para definir o rumo e o bem-estar da população. Respeitamos as divergências e debatemos, com respeito, até chegar a um acordo de ações em benefício dos brasileiros. Esta é a maior manifestação de unidade do movimento sindical do Brasil.” 

No encontro, ficou definida uma “Jornada de Lutas”, ou seja, as entidades sindicais ficarão em estado de greve e se manifestarão, de acordo com suas possibilidades, a fim de conscientizar suas categorias e a população em geral sobre os malefícios do desmonte da Previdência proposto pelo governo.

 O objetivo é lutar para que a reforma não seja votada e, consequentemente, aprovada da forma como foi apresentada. No entanto, “se colocar pra votar, o Brasil vai parar” é o mote da campanha unificada das centrais sindicais, o que significa que se o governo insistir em aprovar a reforma da Previdência da maneira como foi enviada, será organizada uma paralisação nacional.

 Na próxima semana, as centrais voltarão a se reunir para definir os passos a serem tomados rumo à vitória dos trabalhadores. 

Veja abaixo a nota das centrais. 

As centrais sindicais repudiam e denunciam como mentirosa e contrária aos interesses do povo brasileiro a campanha que o governo vem promovendo para aprovar a contrarreforma da Previdência. 

A proposta enviada pelo Palácio do Planalto ao Congresso Nacional não tem o objetivo de combater privilégios, como sugere a propaganda oficial. Vai retirar direitos, dificultar o acesso e achatar o valor das aposentadorias e pensões dos trabalhadores e trabalhadoras de todo o Brasil, bem como abrir caminho para a privatização do sistema previdenciário, o que contempla interesses alheios aos do nosso povo e atende, sobretudo, aos banqueiros. 

Quem de fato goza de privilégios neste País são os banqueiros e os grandes capitalistas, que devem mais de R$ 1 trilhão ao INSS, não pagam e, pior, não são punidos. Eles foram premiados pelo governo com as desonerações, além da DRU (Desvinculação das Receitas da União), manobra que o governo faz para tirar dinheiro da Seguridade Social para pagar os juros da dívida incontáveis. 

A fixação da idade mínima para aposentadoria aos 65 anos para homens e 62 anos para mulheres, assim como outras alterações nas regras da Previdência pública, vai prejudicar milhões de trabalhadores e trabalhadoras do campo e da cidade. 

A contrarreforma do governo é inaceitável para a classe trabalhadora e as centrais sindicais e tem custado caro aos cofres públicos. Por isto é rejeitada pela maioria dos brasileiros e brasileiras. 

É falsa a ideia de que existe déficit da Previdência. Para melhorar as contas públicas, é preciso cobrar mais impostos dos ricos, fazer com que os empresários paguem o que devem à Previdência, taxar as grandes fortunas, os dividendos e as remessas de lucros ao exterior. 

As centrais reafirmam a posição unitária da classe trabalhadora e de todo movimento sindical contra esta proposta do governo e convocam os sindicatos e o povo à mobilização total para derrotá-la.

 CSB, CTB, CUT, Força Sindical, Nova Central, Pública, UGT, CGTB, CSP - Conlutas, Intersindical

FONTE: http://www.ugt.org.br/post/18260-Se-colocar-pra-votar-o-Brasil-vai-parar

© Copyright 2000 - 2014 SISMUC Regional - Todos os Direitos Reservados - É proibida a cópia total ou parcial deste site sem autorização de seus administradores

Desenvolvido por AgênciaNET e ATONA mídia